"Angola" = 'negro'? A propósito de uma palavra Kipeá e Borum

(Lista Etnolingüística, 4 de Fev de 2011)

Prezados,

Em artigo que deverá sair no próximo número da Liames (no prelo), descrevo vários empréstimos que ocorrem no léxico Kipeá (e Dzubukuá), incluindo alguns oriundos de outras línguas Macro-Jê. Um dos empréstimos é uma palavra para 'negro', gorá; palavra semelhante ocorre também em Borum (Krenák), como mencionei aqui na lista há um tempo (http://lista.etnolinguistica.org/173). Ocorre, por exemplo, no vocabulário Botocudo de Charles Frederick Hartt como engóra 'negro' ["en scarcely audible"], com a sugestão de que é "[E]vidently from the Portuguese".

Uma sugestão bastante plausível, fonologicamente, é feita por de Goeje (1932), que sugere que gorá tenha vindo de "Angola". Mas seria historicamente plausível? Eu me lembro, da leitura de anúncios de escravos fugidos em jornais do séc. XIX (como a Matutina Meiapontense, primeiro jornal do Centro-Oeste), que "Congo" era comumente usado para descrever escravos (como em "um (negro da nação) congo"). Alguém saberia se "Angola" teria tido uso semelhante?

Desde já, muito obrigado por qualquer informação.

Abraços,

Eduardo

Este site é melhor visualizado com senso crítico. © 2009-2011 Eduardo R. Ribeiro